Projeto multimídia “Híbridos, os Espíritos do Brasil” inclui cinema e webdoc

Mulher em ritual da fraternidade Kayman, da Umbandaime, no Rio de JaneiroO longa-metragem Híbridos, os Espíritos do Brasil”, de Priscilla Telmon e Vincent Moon, já está em cartaz nos cinemas do Rio de Janeiro e de São Paulo. O projeto, que registra de maneira poética a diversidade de rituais espiritualistas no Brasil, tem um caráter multimídia e inclui também um webdocumentário, disponível em híbridos.cc, e outras iniciativas.

No cinema, um rico acervo cinematográfico de rituais das inúmeras vertentes religiosas e espiritualistas do Brasil se abre ao espectador durante 88 minutos. A cada movimentação de cena, o documentário “Híbridos” oferta uma descoberta ao espectador. A única regra é: enxergar, ouvir e sentir. Simples como a sua temática.

Sem legendas ou narrações em off, a pretensiosa premissa sensorial encontra sucesso junto às imagens de um Brasil transcendental e de dimensões continentais adornado pelas vozes e cores do transe.

Não é somente na diversidade natural, sonora, religiosa e ritualística que a pluralidade brasileira se faz presente. À exceção da coprodutora, que é brasileira, os diretores são franceses.

Priscilla Telmon e Vincent Moon passaram três anos pesquisando e coletando o material que originou o documentário e todo o projeto “Híbridos”. Seria uma iniquidade optar por uma narrativa convencional frente à imensidão de material. Por isso, a escolha de um projeto multiplataforma que não se sobrepõe ao filme, mas o complementa. O webdocumentário, narrativa transmídia ou “coleção” – como preferem os idealizadores – extrapola seus limites para o território da web, onde encontra um vasto mundo de possibilidades.

Proposta colaborativa

O site com características de webdocumentário, que hospeda o projeto em três idiomas (português, inglês e francês), propõe uma navegação a partir de dois pontos: um, que leva a aspectos técnicos e, outro, que se abre em uma imensidão de materiais etnográficos.

Os registros dos rituais são divididos de acordo com a origem (afro, europeu, indígena), local (cidade, floresta, mar, montanha), finalidade (cura e transe), entre outros filtros. Após a seleção, é possível assistir a minidocumentários com entrevistas de praticantes, devotos e líderes espirituais, assim como acessar links oficiais e links de projetos pessoais de gente que se dedica à pesquisa etnográfica e à cultura brasileira. É o caso de Gustavo Caboco, que criou o caboco.tv com a finalidade de documentar sua visita à tribo Wapichana, em Roraima, onde se encontram suas raízes ancestrais.

Outro aspecto de “Híbridos” que merece destaque é a proposta de compartilhamento de materiais. Segundo os idealizadores, a metodologia fora dos padrões do circuito tradicional permitiu oferecer todos os filmes às pessoas filmadas, de maneira que possam utilizar o material em suas culturas. A iniciativa inclui, também, “experiências de cinema ao vivo ao redor do mundo e instalações multitelas imersivas”, a exemplo da exibição que acontece dia 31 de março, no Viaduto do Chá, em São Paulo, seguida do cortejo do Ilú Obá de Min, coletivo de matriz africana de tambores e corpo de baile que privilegia a participação exclusiva de mulheres. O filme contou com exibição nos mesmos moldes quando abriu a 41ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo no vão livre do Masp.

“Híbridos, os Espíritos do Brasil”

Brasil, França. 2017.

Direção: Priscilla Telmon e Vincent Moon. Produção: Fernanda Abreu.

Webdocumentário – híbridos.cc.

Versão para cinema – Participação em festivais: Festival Novíssimo Cinema Brasileiro, 41ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, DOX (Copenhagen International Documentary Festival), IDFA (International Documentary Film Festival, Amsterdam), Festival DocFortnight. Estreia no circuito comercial de cinemas: 15/3/2018. Classificação indicativa: 14 anos.